Importância de uma equipe multidisciplinar para reduzir transfusões de sangue alogênico em cirurgias cardíacas

Os autores descrevem o papel fundamental do CLÍNICO (cardiologista), do ANESTESISTA, do CIRURGIÃO e do médico de TERAPIA INTENSIVA para o sucesso de duas cirurgias graves sem a utilização de sangue alogênico (doado). Primeiro caso: DISSECÇÃO AGUDA DA AORTA TORÁCICA ASCENDENTE (diâmetro de 69 mm) e INSUFICIÊNCIA VALVAR AÓRTICA importante. Segundo caso: DOENÇA ARTERIAL CORONÁRIA, ESTENOSE AÓRTICA importante (gradiente médio de 55 mmHg), ESTENOSE MITRAL importante (área valvar 1,0 cm²), além de anemia e PLAQUETOPENIA (61 mil/mm³). Concluem dizendo que é possível realizar grandes cirurgias com alto risco de sangramento sem o uso de sangue doado (homólogo).

Antonio Alceu Santos, Silva JP, Silva LF, Baumgratz JF, Vila JHA, Stela FAM, Lippi E, Costa FAA e Araújo JG. Arq Bras Cardiol 2015: 105(1 supl.1), pág 27.